.

Absolutismo: Características e principais teóricos

. .
O fortalecimento da realeza nos países do Ocidente da Europa, determinou uma das mais sérias transformações políticas de que há registro na História da civilização: O Estado feudal, em que o poder do rei sofria todo tipo de restrições, cede lugar ao Estado absoluto, em que o rei passa a representar um poder central, representando em uma só pessoa os três poderes: legislativo, executivo e judiciário.

Outros fatores que contribuíram para esse processo, além da desintegração do sistema feudal, foi a crescente descrença na Igreja Católica, ascensão da burguesia, o Renascimento, a reforma protestantes e a expansão marítima e comercial. A época moderna, entre 1453 a 1789 (século XV ao XVIII) foi profundamente marcada pelo Absolutismo.


O poder da coroa - (Fonte Wikipédia)


Dentro desse processo, houve um crescente fortalecimento e prestígio do rei. Em várias regiões da Europa, os reis passaram a ter grandes regiões sob seu domínio. Elas tinham algumas características que diferiam totalmente da geografia feudal. São elas: Idioma comum, território definido e exército permanente.
Essas regiões ficaram conhecidas como Estados Nacionais.


Essa centralização do poder nas mãos do rei, que podia tomar qualquer decisão sem consultar o povo ficou conhecida como Absolutismo, pois o rei era o senhor absoluto da nação.

No Absolutismo, o rei era a totalidade do poder, confundindo-se com o próprio Estado.

O Estado sou Eu - Luís XIV

Dessa forma, o soberano absolutista decidia sozinho todos os níveis administrativos da Nação. Estabelecia políticas econômicas, promulgava leis, determinava punições, impunha impostos e tributos, controlava a Igreja, etc. Diferente da Idade Média, quando o poder central colocava-se antes ao poder local (nobres) e ao Universal (Igreja).

Base Social do Absolutismo


Nobreza - Apesar de decadente, mantinhas seus privilégios.

Burguesia - Em ascensão, ainda incapaz de impor um projeto político próprio.

O que torna típico o Estado Absolutista é que o soberano se equilibra sobre as camadas sociais em conflito, aproveitando-se das suas rivalidades.

Teóricos do Absolutismo


O "Leviatã"

Nicolau Maquiavel: (1469 - 1527). Escreveu "O Príncipe". Segundo Maquiavel, o soberano tudo pode fazer para valer o seu poder, pois " Os fins justificam os meios". Para Maquiavel é lícito usar hipocrisia, má fé, crueldade, mentira, crime, violência, quando está em jogo a soberania.

Thomas Hobbes: (1588 - 1679). Escreveu "Leviatã". Segundo Hobbes, os monarcas deveriam espelhar-se no "Monstro Bíblico" para governarem; Hobbes afirmava que "o homem é o lobo do homem", daí, onde não vigorasse o Absolutismo, imperaria o caos social.

Jacques Bossuet: (1627 - 1704). Escreveu "Política segundo a Sagrada Escritura". Em sua obra cria a teoria do direito divino, sendo Deus (segundo Bossuet), a delegar o poder político aos monarcas, este poder tornava-se ilimitado e incontestável.


Elaboração:
Equipe Mais Educação

Nenhum comentário

Agradecemos o seu comentário! Em breve ele será publicado.