O Golpe do Falso Emprego - Presencial - Mais Educação

O Golpe do Falso Emprego - Presencial

. .

Já falamos aqui do Golpe do Emprego via telefone. Porém, um golpe novo tem atraído estudantes e trabalhadores.

Você está desempregado, andando pela cidade e por acaso visualiza um cartaz prometendo várias vagas de emprego para multinacionais em áreas bem cobiçadas como logística e produção. E sem experiência. Imediatamente se dirige até o local para garantir sua vaga.

Outra situação, você estudante ou pai de um adolescente visualiza no Facebook uma postagem prometendo vaga para aprendizes a partir de 14 anos para várias empresas inclusive bancos. Inocente vai e deixa seu telefone para que a empresa entre em contato para agendar uma entrevista.

E por fim, você diretor de escola - que deveria ser uma pessoa instruída -  divulga em seu mural esse tipo de vaga ou pior: cede um dia para que os pilantras venham até a escola falar da suposta vaga de aprendiz.
Os cursos do golpe do falso emprego geralmente são
rápidos, com pouca qualidade e não são reconhecidos
pelo mercado de trabalho (Fonte:upload.wikimedia.org)

Todos os casos acima se assemelham em um só: são todos o golpe do emprego. Diferente do golpe via telefone, este ocorre cara a cara com o estelionatário, golpista, ou outros adjetivos que não compensa comentar.

A situação em ambos os casos é a mesma. Durante a entrevista da suposta "vaga de emprego" o recrutador desqualifica seu currículo ou algo parecido somente para forçar a venda de um curso. Normalmente falam que é exigência da empresa o curso e que após a conclusão o emprego é garantido. Puro golpe.

Existem várias escolas de cursos profissionalizantes aplicando este golpe do falso emprego e por incrível que parece recrutam jovens até dentro das escolas com aval da diretoria. 

E quais os cuidados para não se cair neste golpe:
  1. Em uma postagem com supostas vagas para jovem aprendiz nunca deixe seu telefone ou dados do seu filho(a). Repare que normalmente nunca falam qual é o nome da empresa que está recrutando. 
  2. Se a entrevista é em uma escola profissionalizante cuidado. Chance do golpe  do falso emprego altíssima.
  3. Cobre do diretor da escola do seu filho(a) que não deixe este tipo de coisa acontecer. Se você é professor da escola e é mais observador que a direção avise ele sobre o golpe do emprego
  4. Você trabalhador fique atento. Mesmo estando desempregado as observações acimas são válidas igualmente. Desconfie sempre quando "a esmola é demais". 
  5. Nunca assine nenhum contrato sem ler antes. Os golpistas tentam confundir a pessoas para não ler o contrato. Sabem que uma leitura atenta irá mostrar que no contrato não fala nada da garantia de emprego e somente da contratação do curso. Um golpe bem elaborado.
  6.  Consulte a reputação da "escola" ou empresa em sites como o Reclame Aqui ou no próprio Procon. 
  7. O Telemarketing dessas empresas tenta convencer
    os pais por telefone da oportunidade que seus  filhos
    perderão. O pai ou mãe acredita e acaba pagando o
    curso por um emprego que não existe.
  8. Caso se sinta coagido ou seja ameaçado acione a polícia, explique detalhadamente o caso e aguarde uma viatura no local. 
Em tempo: o escritor que vos  escreve  já caiu em um golpe. Não foi do emprego mas a tática semelhante. Ofereciam um curso preparatório para concurso de professor com a garantia de aprovação ou seu dinheiro de volta. Muitos não passaram. Eu ingênuo fui um. Não constava esta clausula no contrato e ainda tive que honrar as parcelas restantes sob pena de protesto da dívida. Enfim, serve de alerta. A dinâmica dos golpes presenciais é sempre a mesma: promessas verbais que não estão no contrato. Assinou sem ler, infelizmente não tem o que fazer. Caiu no golpe


Saiba mais!
O Golpe do falso emprego: pela internet
Colaboração: Luis Korani

Imagens: Internet - livre para reutilização

Nenhum comentário

Agradecemos o seu comentário! Em breve ele será publicado.